Blog

Série mercado de banda larga: panorama da região Norte

O Norte do Brasil é uma região extensa em área e com pouca concentração populacional e essa característica torna maior a dificuldade para penetração dos provedores de internet. As grandes operadoras chegam apenas aos grandes centros e a baixa qualidade e velocidade do serviço é uma realidade. Todos esses fatores fazem desta região o segundo mercado de banda larga de menor penetração do país, ganhando apenas da região nordeste.

1

A penetração dos ISPs no Norte do Brasil, no entanto, é maior que a média do Brasil, chegando a 12%, de acordo com a Anatel. O principal grande grupo no local é a Oi, com quase metade das conexões. A Sky, porém, vem ganhando mercado local com a tecnologia via LTE e satélite, que consegue atender áreas com baixa concentração sem custos de infraestrutura elevados.

2

Dados do mercado de banda larga da região Norte

Tecnologias utilizadas – geral

Focando nas características da região, a distribuição de tecnologias tem algumas particularidades. A diferença não é muito significativa  em relação ao Brasil como um todo, e as principais tecnologias utilizadas no mercado de banda larga ainda são xDSL e Cable Modem, com uma participação um pouco mais elevada do Rádio.

3

Tecnologias utilizadas – ISPs

Se considerarmos apenas a tecnologia utilizada pelos ISPs, percebemos que o rádio é usado por muitos deles, chegando a mais de 90%, segundo a Anatel, até o ano passado. Esta região foi a última do Brasil onde os pequenos provedores adotaram a fibra óptica. Apesar disso, a média atual já é próxima da nacional no percentual de conexões por fibra. Onde há viabilidade, ela substitui o rádio.

4

Velocidade de conexão – geral

A baixa concentração impacta também na velocidade ofertada. Até 2014, a taxa de acessos com menos de 2Mb na região era superior ao resto do Brasil. Deste ano em diante, o índice se equiparou à média nacional e a concentração passou ser na faixa entre 2Mb e 12Mb. As velocidades acima de 12Mb correspondem a uma pequena parcela nesse mercado de banda larga e ainda estão bem abaixo da média brasileira.

5

Velocidade de conexão – ISPs

Os ISPs não ofertavam velocidades acima de 12Mb até 2014, ano em que foi iniciada a adoção de fibra por esses provedores. A velocidade, no geral, tem uma diferença ainda maior se comparada ao resto do Brasil. O que podemos ver no gráfico é que a fibra permitiu o aumento da velocidade, fazendo crescer a faixa entre 2Mb e 12Mb, porém, a grande migração que aconteceu ainda foi das velocidades abaixo de 512Kb para até 2Mb.

6

Outro indicador que também mostra que 2014 representou um  momento de virada na região é a liberação de licenças. Em 2014 a quantidade dessas emissões dobrou e se mantém  assim desde então. Em 2016, já foram liberadas mais licenças que a média até 2013 no mercado de banda larga da região Norte.

7

Alguns investimentos vem sendo feitos nessa região, como o Programa Amazônia Conectada, por exemplo. O Programa tem o propósito de realizar a conexão dos municípios isolados da Amazônia através de fibra óptica, lançando uma rede de fibra nos leitos dos rios. Além disso, o programa visa a inclusão digital dos povos indígenas e da população ribeirinha, expandir e melhorar a educação na região, expandir os programas governamentais de tele ensino e tele saúde e melhorar as comunicações militares na Amazônia, com ganhos para a Defesa Nacional.

A região Norte é, portanto, bastante promissora para os ISPs, já que a penetração da internet é baixa e, por ter áreas de baixa densidade demográfica, não interessa tanto às grandes empresas.

Alguma dúvida sobre esse assunto? Escreva abaixo nos comentários!

3 comentários sobre "Série mercado de banda larga: panorama da região Norte"

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comparar Produtos ()