Blog

Série “Banda larga fixa”: 4 países com banda larga avançada

Dando sequência à série “Banda larga fixa”, baseada no estudo da Ovum “The Broadband Experience Scorecard project” (os outros dois posts podem ser visualidados aqui e aqui), vamos abordar cases de alguns países com banda larga avançada, das quatro regiões estudadas: Américas, APAC (Ásia-Pacífico), Europa e MEA (Oriente Médio e África). Esses países estão entre os primeiros lugares de suas regiões, com um score, de acordo com parâmetros do estudo, superior à média da região. (Para registrar, o Brasil teve uma média abaixo da sua região e foi um dos países que levaram as Américas ao penúltimo lugar do estudo, junto com vários outros países da América Latina).

Países com banda larga avançada:


Suécia

A Europa foi a região número um em banda larga avançada, com um score de 74%. A Suécia teve a pontuação de 88%, sendo o 12º país no ranking mundial e o 4° na Europa.

Com cerca de 9,5 milhões de habitantes e uma média de idade de 41 anos, a Suécia conta com 85% da população vivendo em centros urbanos. A penetração da banda larga não foi o que impulsionou essa nota, já que está em 67%, considerado um número moderado. O grande trunfo da banda larga avançada da Suécia é ter obtido grandes scores em variáveis de conexão, principalmente na proporção de pessoas com banda larga de alta velocidade e velocidade de download. O país também teve uma ótima performance nos quesitos acesso à banda larga e número de competidores no mercado. O “Plano Nacional de Banda Larga” foi outro ponto forte.

Apesar disso, as assinaturas de banda larga vêm crescendo em taxas menores que a média mundial, o que é consistente com seu status de mercado desenvolvido. A taxa de migração para planos de internet de maiores velocidades é moderada, mas mais alta que a de outros mercados europeus saturados também com banda larga avançada.

O estudo mostrou que os consumidores de internet banda larga na Suécia estão satisfeitos com o serviço, incluindo a velocidade, a performance de músicas, jogos e vídeo, confiabilidade e instalação. Ponto para os provedores locais, que souberam elevar a satisfação dos clientes a taxas bastante altas e ajudar o país a obter uma banda larga avançada.

A Suécia está bem à frente de outros países europeus em termos de alcançar o objetivo estabelecido no continente: levar o acesso à banda larga de 30 Mbps a todos os lares europeus e disponibilizar uma banda larga avançada de 100Mbps a pelo menos 50% desses locais até 2020. O objetivo da Suécia é atingir 90% de cobertura de 100 Mbps para banda larga fixa. Em 2011, atingiu 49%.

Singapura

Os países da APAC (Ásia-Pacífico) tiveram a segunda melhor pontuação em banda larga avançada no estudo. Singapura, com 5,4 milhões de habitantes, com idade média de 39 anos, e 100% da população vivendo em área urbana, é, ainda o segundo país com melhor banda larga em nível mundial.

Singapura é o país da APAC líder em banda larga avançada. Sua alta pontuação se deve também aos quesitos Conectividade Atual e Momento de Crescimento. A alta conectividade se deve à maturidade do mercado, já que as conexões são realizadas pelas tecnologias de fibra óptica e cabo, e há uma grande proporção de usuários com altas velocidades de banda larga. A forte conexão com o mercado internacional é um dos fatores que faz com que Singapura tenha essa preocupação em implantar uma banda larga avançada.

A única fraqueza do país, segundo o estudo, é que o mercado é dominado por dois grandes provedores, embora isso já esteja mudando. Normalmente, esse perfil determinaria um momento de crescimento baixo, mas o que ocorre é exatamente o contrário. Apesar de o crescimento de conexões ser baixo, as conversões para banda larga avançada, de maior velocidade, e o número de endereço de IPs são altos.Tudo isso acontece devido ao grande incentivo à fibra óptica e muita cooperação entre provedores e governo para estender a estrutura FTTx pelo país.

Mas isso não quer dizer que não há espaço para crescimento, mesmo em países com banda larga avançada. A pontuação em satisfação dos clientes ficou abaixo da média da APAC e da global. Alguns problemas descritos foram falhas em downloads e em vídeos streaming, além da falta de confiança no serviço e na instalação. No entanto, esses problemas já estão sendo resolvidos.

Canadá

Com 35 milhões de habitantes com uma idade média de 40 anos e 81% das pessoas vivendo em zonas urbanas, o Canadá é o segundo país das Américas com melhores pontuações de banda larga, de acordo com o estudo. É, também, o décimo país no ranking global. As Américas ficaram em terceiro lugar entre as regiões estudadas no quesito banda larga avançada.

O Canadá é um mercado maduro em termos de banda larga avançada, com um alto nível de penetração nas residências e também um grande número de provedores concorrentes. Sua alta pontuação se deve, ainda, a ótimas performances em Experiência com Serviços e Aplicativos, Conectividade Atual, e, particularmente, Satisfação dos Clientes. Os clientes estão satisfeitos com o tempo de download e a performance de vídeo, música e games. O estudo demonstrou, entretanto, que os consumidores querem mais velocidade, mas também que estão cientes de que a velocidade prometida é realmente entregue em suas casas.

Em contraste, o score em Momento de Crescimento foi baixo, liderado pelos quesitos lenta migração para planos de banda larga de maior velocidade e baixo aumento de endereços de IP.

Emirados Árabes Unidos

A população dos Emirados Árabes Unidos é de 9,3 milhões de habitantes, com 78% vivendo em centros urbanos e uma idade média de 30 anos. A região do MEA ficou em último lugar no estudo sobre banda larga avançada, mas os Emirados Árabes Unidos alcançaram o sexto lugar global e o primeiro regional.

A pontuação em Conectividade Atual foi de 60%, que é alta para a região, mas moderada globalmente. Áreas com melhor performance foram a proporção de internet banda larga e níveis de investimento. Porém, quesitos como acesso e número de endereços de IP ficaram abaixo da média, talvez por conta da baixa concorrência, com apenas dois provedores dominando o mercado.

Um score marcante foi no item Momento de Crescimento, um dos maiores entre os países estudados: 90%. Quesitos que auxiliaram na obtenção dessa pontuação foram o rápido aumento da penetração e o crescimento dos endereços IP e da banda larga avançada. Isso tudo gera um otimismo para que maiores pontuações em Conectividade sejam adquiridas no futuro.

Um ponto bastante baixo foi o Plano Nacional de Banda Larga, o que é compensado pelos investimentos dos operadores para expandir as redes de internet. Consumidores também estão insatisfeitos com o acesso à banda larga avançada, além da performance de downloads, músicas e games.

Apesar de todos esses países serem mais evoluídos e terem pontos bastante positivos em sua banda larga em geral, existem também demandas a serem supridas. Por isso, deve haver um trabalho constante entre provedores e governo para melhorar o acesso a todos. Você acha que um dia o Brasil chegará em um nível satisfatório, com uma banda larga avançada? Em quanto tempo isso deverá acontecer? Deixe sua opinião abaixo!

Compartilhar:

2 comentários sobre "Série “Banda larga fixa”: 4 países com banda larga avançada"

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comparar Produtos ()