Como os provedores devem se preparar para as cidades inteligentes?

Como os provedores devem se preparar para as cidades inteligentes?

por Anton Gora | 20.12.16 | em Inovação e tendências

“As cidades inteligentes são cidades que fazem um esforço consciente para transformar por meio da tecnologia a vida e o trabalho dentro do seu território de maneira significativa e não apenas de uma forma incremental. A definição é do California Institute for Smart Communities e, se somada à definição de Andrea Caragliu no Smart Cities in Europe, consegue dar uma dimensão dos benefícios que essas comunidades proporcionam a vida dos cidadãos. Para a pesquisadora, os TICs viabilizam o crescimento econômico de forma sustentável e melhoram a qualidade de vida, além de otimizar a gestão de recursos naturais e energéticos com a participação atuante do governo.

Em resumo, nessas comunidades os TICs são incorporados em objetos físicos para facilitar o dia a dia da população. Nas cidades inteligentes as escolas são conectadas, o atendimento nos hospitais é informatizado e o prontuário eletrônico é uma realidade. Diante desse contexto como os provedores de internet e as empresas de telecom devem se preparar para oferecer seus serviços nessas cidades superconectadas? Confira a resposta abaixo.

As cidades inteligentes já são uma realidade

Se o termo cidades inteligentes para você parece algo distante e que só acontece em países como a Coreia do Sul, Dinamarca e Estados Unidos; saiba que existe um ranking publicado pelo Connected Smart Cities que aponta as 50 cidades brasileiras mais inteligentes. Na lista figuram capitais como Rio de Janeiro (1º), São Paulo (2º), Belo Horizonte (3º) e Florianópolis (8º); e também municípios como São Caetano do Sul (SP), São José dos Campos (SP) e Uberlândia (MG). Os indicadores vão desde mobilidade urbana, energia, tecnologia e inovação, até saúde, governança e empreendedorismo.

Além disso, o Ceará foi o primeiro estado brasileiro a investir em uma cidade inteligente para a população de baixa renda. O Laguna EcoPark terá acesso wi-fi gratuito, aplicativos para compartilhamento de bicicletas, controle inteligente de iluminação e energia elétrica produzida por equipamentos esportivos. O empreendimento só está se tornando uma realidade por conta das parcerias entre governo, universidades, empresas de comunicação e a startup italiana responsável pelo projeto.

Se é uma realidade, como preparar as empresas de telecom para o futuro?

Para usar os serviços de telecomunicações nas cidades inteligentes, seja interligando equipamentos ou oferecendo internet gratuita à população, a prefeitura do município tem duas opções: contratar as operadoras tradicionais ou investir em uma solução própria. Em ambos os casos, os ISPs brasileiros podem levar vantagens, já que as grandes empresas não colocam em sua rota vários municípios pequenos e, na segunda, o gestor público ainda precisa contratar um provedor.

Se os municípios onde sua empresa atua têm planos de construir cidades inteligentes ou de disponibilizar wi-fi gratuito para a população, comece a estudar a viabilidade de oferecer uma conexão mais rápida e a planejar uma expansão de rede. Aqui, você pode baixar um eBook gratuito com dicas para os ISPs que desejam crescer no mercado de banda larga.  Nele, você saberá quais as informações necessárias para a expansão, conhecer possíveis problemas na hora da instalação e também as tecnologias disponíveis para a infraestrutura de rede, entre elas PON LAN, conversores de mídia e  fibra óptica.

A fibra óptica, por exemplo, pode trazer muitas vantagens para as cidades inteligentes, já que é uma tecnologia de ponta e está preparada para as mudanças nas cidades do futuro. Você ainda acha que é uma tecnologia cara e de difícil instalação? Então, faça download do eBook Verdades e Mitos sobre fibra óptica e confira seus benefícios.