Como o acesso à internet pode auxiliar países em desenvolvimento

Como o acesso à internet pode auxiliar países em desenvolvimento

por Cianet | 31.10.16 | em Infraestrutura e tecnologia

Um estudo da Deloitte, intitulado “Value of connectivity: Economic and social benefits of expanding internet access” (em tradução livre “O valor da conectividade: benefícios econômicos e sociais da expansão do acesso à internet) traz as vantagens do acesso à internet já atingidas em países desenvolvidos. Além disso, indica mudanças que podem ser realizadas via rede em países em desenvolvimento. Pontuamos para você alguns insights que consideramos importantes.

O acesso à internet já realizou muitas mudanças na vida de indivíduos em países desenvolvidos, promoveu a economia e benefícios sociais. Isso, no entanto, ainda é um desafio em economias em desenvolvimento como o Brasil, por exemplo. Das 7 bilhões de pessoas no mundo, apenas 2,7 bilhões têm acesso à internet, e as populações não conectadas são tipicamente as mais pobres.

Benefícios do acesso à internet

Algumas conquistas que o alto acesso à internet já realizou em países desenvolvidos são:

  • Criação de novos métodos de comunicação e socialização
  • Novos modelos de negócios e indústrias
  • Melhores condições de trabalho tanto para as empresas quanto para os trabalhadores
  • Inovações como mídias sociais, mecanismos de busca e comércio online
  • Convergência de plataformas entre quase todas as atividades existentes, trazendo grandes impactos na sociedade
  • Uso da internet pelo governo, aumentando a atividade econômica e o desenvolvimento social

Potencialidades em países em desenvolvimento

Em países em desenvolvimento, a internet tem o potencial de não apenas realizar as mesmas ações, mas permitir que o conhecimento seja disseminado amplamente, auxiliando pessoas e comunidades, viabilizando aos países o desenvolvimento das suas potencialidades. O estudo da Deloitte concluiu que se países em desenvolvimento pudessem superar o gap de acesso à internet, aumentariam o PIB e melhorariam as condições de saúde e oportunidades de educação de sua população.

Os resultados também apontam que quanto maior o acesso à internet mais potencial esses países têm para reduzir a pobreza. Atuando como incentivadora da economia e como um motor para o compartilhamento de informações, a internet complementa necessidades primárias e serviços fundamentais das nações. Talvez o mais importante nesse contexto seja a transformação de uma economia baseada em recursos para uma fundamentada em conhecimento.

Cases no Brasil

O estudo cita alguns programas no Brasil como exemplos a serem seguidos por outros países em desenvolvimento:

Pescando com redes 3G

O projeto da Qualcomm e da Fundação Telefônica/Vivo promove o desenvolvimento econômico e social de comunidades de produtores de ostra do sul da Bahia. Os pescadores utilizam redes 3G e dispositivos móveis para acessar informações em tempo real sobre o clima, condições de pesca e preços de produtos. Além disso, os profissionais receberam um curso sobre como o cultivo de ostras pode ser uma opção à pesca tradicional durante a entressafra e utilizam um aplicativo de realidade aumentada para acessar os conteúdos. De acordo com os idealizadores do projeto, o resultado foi o aumento na renda da comunidade local e a melhoria da eficiência do comércio pesqueiro.

Proinfo

O Programa Nacional de Tecnologia Educacional (ProInfo) tem como objetivo promover o uso pedagógico da informática em escolas da rede pública de educação básica. O programa utiliza ainda a conectividade à internet para desenvolver estratégias de ensino à distância, conectar professores e incentivá-los a ter uma visão crítica e atitudes criativas com relação ao aprendizado.

Quanto maior o acesso à internet, maiores as possibilidades de crescimento da economia, benefícios sociais, educação e saúde à população de países em desenvolvimento. O vasto território e as diferenças culturais de cada região fazem do Brasil um país com algumas peculiaridades. É só olhar os números pra ver algumas disparidades: na região sudeste (uma das mais desenvolvidas do Brasil) o índice de penetração de banda larga é 57,4 a cada 100 domicílios, enquanto na região nordeste este índice cai para 19,5 a cada 100 domicílios.

Neste sentido, para que a internet seja disseminada a mais pessoas, a atuação dos ISPs é de extrema importância, principalmente porque promove o desenvolvimento econômico de regiões distantes dos grandes centros ao levar internet de qualidade, muitas vezes por fibra óptica. Muitos provedores, inclusive, buscam diferenciação de mercado nesta tecnologia, que é tendência e vem ganhando cada vez mais espaço.

E você? Contribui para o desenvolvimento econômico e ao acesso à internet na sua região? Conte-nos a sua história nos comentários abaixo!